terça-feira, 2 de janeiro de 2018

GUARANÁ 100% AMAZONAS

Implantação de sistemas agroflorestais para famílias amazônicas e rastreamento da cadeia produtiva do fruto: uma contribuição do Imaflora ao programa Olhos da Floresta

Culturas agrícolas integradas com árvores. Essa técnica existe, é conhecida como Sistema Agroflorestal (SAF) e vem sendo bastante difundida nos últimos anos. As vantagens são econômicas e ecológicas. Além de melhorar a produtividade no campo, também ajuda a recuperar florestas e áreas degradadas, reduz a perda de fertilidade do solo e o ataque de pragas. O resultado é a restauração do convívio entre plantas e animais silvestres, favorecendo a biodiversidade. Para incentivar os sistemas agroflorestais e a cadeia de produção do guaraná da Amazônia a Coca-Cola Brasil criou o programa Olhos da Floresta em parceria com o Imaflora-Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola. A iniciativa traz benefícios para todos. Os SAFs oferecem oportunidade de inclusão social e geração de renda para agricultores familiares do município de Presidente Figueiredo e região, além de promover o uso racional dos recursos naturais. Toda a produção é adquirida pela empresa, que já está fabricando oito tipos diferentes de refrigerantes tendo o fruto da Amazônia como principal matéria-prima.

Para o sucesso do programa Olhos da Floresta, o Imaflora trabalha em duas frentes: no incentivo aos SAFs e no rastreamento da cadeia produtiva do guaraná. “O primeiro passo foi orientar os agricultores familiares durante a implantação dos sistemas agroflorestais. A partir de então passamos a fazer o controle e a rastreabilidade de todas as etapas de produção do guaraná, desde o plantio até a colheita, para garantir que o fruto comprado pela Coca-Cola Brasil tem origem no estado do Amazonas”, explica o Gerente de Projetos do Imaflora, Eduardo Trevisan.

O trabalho do Imaflora com os pequenos produtores que aderiram ao programa é ainda mais profundo. Junto com o estímulo aos SAFs, a equipe técnica também faz todo o acompanhamento dirigido para a agricultura familiar, com práticas de manejo agroecológico e de conservação da biodiversidade e instruções econômicas de comércio e preços justos. “O sistema agroflorestal permite o cultivo de outras culturas além do guaraná como, por exemplo, castanha, mandioca e milho. Assim, os agricultores garantem trabalho o ano inteiro e melhoria visível da renda familiar, fixando-se no campo”, reconhece Trevisan.

“Hoje temos a garantia de 100% da origem do guaraná que compramos de 240 agricultores de Presidente Figueiredo e mais onze cidades a leste do estado do Amazonas, entre as principais Parintins, Borba, Maués e Humaitá”, conta Luiz André Soares, Gerente de Governo e Alianças Estratégicas da Coca-Cola Brasil. Como a colheita do guaraná só pode ser feita até três anos depois do plantio, os agricultores se beneficiarão dos outros cultivos de produção mais rápida. A última safra do guaraná – colhida entre setembro de 2016 e janeiro de 2017 – foi de 50 toneladas, totalmente rastreada e com garantia de origem amazônica.  “Para nós, que estamos comprometidos com a sustentabilidade e o desenvolvimento econômico da Amazônia, é um grande ganho ter o Imaflora ao nosso lado. Por trás das suas ações há todo um trabalho de incentivo à agricultura florestal”, completa Soares. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilhe